Rod. Vereador Admar Bertolli, 6159 - Almirante Tamandaré - PR (41) 3355-5600

Geração anual de lixo eletrônico passa de 40 milhões de toneladas

Gostou? compartilhe!

Geração anual de lixo eletrônico passa de 40 milhões de toneladas

 

Geração anual de lixo eletrônico passa de 40 milhões de toneladas

6 de abril de 2018

Em 2016, o mundo gerou 44,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico, equivalente ao peso de quase 4.500 torres Eiffel.

A parte indigesta é que apenas 20% — ou 8,9 milhões de toneladas — do montante descartado foi reciclado. Se continuarmos nesse ritmo, a produção de “sucata pós-moderna” pode chegar a 52,2 milhões de toneladas em 2021.

Os dados são do Global E-waste Monitor 2017, relatório internacional elaborado pela Universidade das Nações Unidas (UNU) em parceria com União Internacional das Telecomunicações (UIT) e a ISWA – International Solid Waste Association (Associação Internacional de Resíduos Sólidos).

Computadores, celulares e outros gadgets descartados como lixo são ricos depósitos de ouro, prata, cobre, platina entre outros materiais de valor.

O estudo da ONU estima que todo o lixo eletrônico gerado em 2016 poderia gerar US$ 55 bilhões em valor de materiais reaproveitáveis.

Ao invés de serem reciclados, esses materiais acabam em lixões e aterros. Resíduos eletrônicos representam um risco alto e crescente para o meio ambiente e a saúde humana.

Uma das regiões que mais sofre com a contaminação de metais pesados é Agbogbloshie, em Gana, que é justamente uma das principais áreas de processamento de lixo eletrônico na África e está entre os lugares mais tóxicos do mundo, em um levantamento da organização ambiental Blacksmith Institute.

Devido à composição heterogênea desses materiais, reciclá-los com segurança é complexo, caro e exige pessoal capacitado.

Na maior parte do tempo, como mostra o estudo da ONU, não é isso o que ocorre. Através de processos de reciclagem informais, metais pesados, como o chumbo, são frequentemente liberados no meio ambiente.

Avanços ocorrem, mas a passos lento. O estudo chama atenção para o avanço nas legislações sobre resíduos eletrônicos. Atualmente, 67 países têm regulação nesse sentido, 44% a mais que em 2014. Mas leis sozinhas não dão conta do desafio, é preciso  fiscalizar a cadeia de produção e descarte, além de estimular a reciclagem adequada desses materiais. E, claro, também cabe a nós, consumidores, realizarmos compras mais conscientes e descarte adequado.

Fonte: https://exame.abril.com.br/mundo/geracao-anual-de-lixo-eletronico-passa-de-40-milhoes-de-toneladas/



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Sanetran Whatsapp Sanetran